quinta-feira, 19 de abril de 2012

Apollo Ômega - Cap. I: Despertar


      A sensação é horrível! É como se eu nascesse novamente – mas não da maneira como pessoas que tiveram uma experiência de quase morte se sentem. Eu não passei por uma quase morte. É algo mais como se eu tivesse dormido por tanto tempo e tão profundamente, que esqueci como é estar vivo. Esqueci como é abrir os olhos e enxergar coisas, esqueci como é estar consciente. Alguém me ajuda a sair do meu casulo. O primeiro ar que eu respiro parece que vai queimar meus pulmões. A primeira luz que chega a meus olhos parece que vai explodi-los.


      - Vai com calma, Johnson. Sei que é difícil e ruim, mas vai com calma.

      A primeira voz que eu ouço é a de David Arllen, navegador da nossa nave. Suas palavras não amenizam a sensação horrível de sair do casulo depois de tanto tempo. Acho que nada amenizaria. Aos poucos vou voltando à realidade. Aos poucos vou reaprendendo como é estar consciente novamente. Alguns segundos depois e as memórias vão voltando aos poucos. David me envolve com uma coberta e põe sentado numa cadeira.

      Então vou me lembrando de quem sou, do que faço aqui, de Donna. Lembro do que deixei pra trás. Mas não me lembro porque deixei. Um grito agudo serve para me tirar do estado de torpor causado pelas lembranças incompletas.

      - Ajuda! Preciso de ajuda! Howard não está resistindo.

      É Emily Dean, médica da equipe, quem clama por socorro. Lembro-me que nos disseram que poderiam haver complicações ao acordar do êxtase. Disseram-nos que o êxtase era como um longo sono. Claro que longo sono foi um dos maiores pleonasmos que eu já ouvi na minha vida. Longo sono, para mim, seria uma pessoa dormir, talvez, por um dia ou dois, não por três anos inteiros.

      David me deixa sentado e corre em direção à voz de Emily. Ouço-a dando ordens a ele, o que fazer, que instrumentos pegar. Ouço o barulho de uma espécie de pulso. Devia ser o desfibrilador. Alguns barulhos e minutos depois vem o silêncio, então preenchido com os passos de David em minha direção e um grito seguido de choro de Emily. David me olha e meneia a cabeça negativamente. Howard não resistiu. Tivemos nossa primeira baixa. Mas a missão da Apollo Ômega continua.

............
Ω

2 comentários:

Will Gac disse...

Uhm... Achei interessante o cenário abordado e seu estilo próprio de escrever. Os pontos positivos seriam: Bom começo e boa forma de encaixar o conto em primeira pessoa com estilo próprio de escrita. Mas sendo sincero e dando as criticas que - Acredito eu - lhe ajudaram nessa caminhada de "Escrever Contos",concluo: Falta um pouquinho mais de descrição. No caso, dos personagens quando você apresentou o nome dos mesmos. Mesmo que fosse algo simples, ainda necessitaria de alguma descriçãozinha tanto física quanto da personalidade deles. Mas fora isso, ficou tudo muito bom e poderá ser mais do que melhor. Se empenhe, você tem talento para isso guy! _õ/

- Will Gac
Escritor do www.adjetivando.com
Escritor e Divulgador do: http://linhadesangue.blogspot.com/

Miltão disse...

Valeu pelas dicas, Will \o. Foram muito bem vindas!